Voltar

Direito: uma alternativa às aulas tradicionais e às novas tecnologias construtivas

Autor(es) Tauã Lima Verdan Rangel
José Nogueira Antunes Neto
Coordenação de mesa
Macrotema Educação e Tecnologias
Artigo (Visualizar) (Download)
Local [fórum dia todo]
Horário 05/06/2017 - O dia todo
Link para Acesso (ACESSO A ESTE FÓRUM)
Resumo

O escopo desse trabalho tem a ênfase voltada a uma analise as aulas tradicionais coimbrense e a introdução de alternativas ao ensino buscando novas tecnologias que facilitem a compreensão do aluno em sua jornada jurídica. Aborda-se um trabalho docente ao qual deve ser contextualizado histórica e socialmente, isto é, articular o ensino a realidade, equilibrando a pratica como na teoria. Busca explicar os pontos não alcançados no ensino tradicional e o modo de transmissão do conhecimento. Assim, tem por finalidade apresentar este modelo pareado a uma visão da necessidade da exclusão do próprio e da extinção deste ensino vigorado no tempo, de caráter obsoleto e monótono. Nessa perspectiva, mostra-se a seguir a atualidade do ensino jurídico vinculada a necessidade das novas tecnologias, ao qual obtiveram um maior destaque nas aulas de direito, onde se encontra uma motivação e um elevado grau de interesse tornando se uma aprendizagem eficaz, despertando aos alunos interesse nas aulas, tornando-as proveitosas de forma interdisciplinar.

Palavras-chave

Processo de ensino aprendizagem; Método tradicional de ensino; Novas tecnologias.

Currículos
Tauã Lima Verdan Rangel

Doutorando vinculado ao Programa de Pós-Graduação em Sociologia e Direito da UFF. Mestre em Ciências Jurídicas e Sociais pelo Programa de Pós-Graduação em Sociologia e Direito da UFF. Especialista em Práticas Processuais pelo Centro Universitário São Camilo-ES. Professor do Curso de Direito da Faculdade Metropolitana São Carlos e da Multivix - Unidade de Cachoeiro de Itapemirim.

José Nogueira Antunes Neto

Graduando do Curso de Direito da Faculdade Metropolitana São Carlos. Membro vinculado ao Grupo de Pesquisa “Faces e Interfaces do Direito: Sociedade, Cultura e Interdisciplinaridade no Direito”